Retalhos da Vida de Um Virgem – XX

 

Love me like a river does / Cross the sea / Love me like a river does / Endlessly… ” – Melody Gardot – Love me like a river does

Não é a página em branco que me assusta. É apenas uma página em branco. O que me assusta é o vazio dentro de mim ou, a incapacidade de a preencher, sensivelmente, com o turbilhão de pensamentos e emoções que se atropelam, que me assaltam, quando a enfrento.

Não é o teu amor que me assusta. É não amares ou não o assumires. É amar-te demais. É o temer não estar à altura de retribuir o que me devotes. É o medo de fracassar na busca dos equilíbrios instáveis. É o temor da censura, em teus olhos admiráveis. É o cansaço, visível, em minha pele engelhada.

Não são as noites escuras que me assustam. Não são os frios polares que me enregelam. Não são as chuvas ácidas que me queimam. A naturalidade, de desastres previsíveis, não me desinquieta. É apenas a vastidão da tua ausência que me dói.

Em argila, lúbrico, minhas mãos moldam teu corpo. Nele domicilio toda a ternura, e absorto, sou ceramista extasiado: o teu pescoço é poço de beijos; os teus seios, cerne de anseios; o teu ventre, meia-lua magnificente; as coxas tuas, onde me enlevo abençoado.

Da obra prima, resto arquitecto saciado.

14 thoughts on “Retalhos da Vida de Um Virgem – XX

  1. Maite

    Caro Luís Eusébio

    Muito bom…mas o mote também era muito bom 🙂

    Carpe Diem. (e para mim também) 🙂

    Tenha um excelente dia de sábado

  2. Cláudia

    Só tenho 4 palavras para ti: FAN-TÁS-TI-CO !!!! 😉

    A ver se desta vez o comentário não fica preso no filtro. 😀

    Beijo grande para ti. CHUAC. ***

  3. PortoCroft

    Caro Rui.,

    Obrigado…. 😀

    PS – Mas, eu gostei. O desaire vai ajudar a manterem a cabeça no pescoço.

  4. PortoCroft

    Naco de miúda bera, meu ‘post it’ mai’lindo,

    Pois!!!…: “When you dance down the street with a cloud at your feet” … 😀

Comments are closed.