Café da Manhã

Saboreamos croissants
com compota de framboesa
Café com leite     morno
que adoçaste com pureza
Torradas     barradas
com manteiga todo o sal
Sumo de laranjas frescas:
agridoces de Portugal

Nos matutinos o negrume
das calamidades públicas
e a denúncia de dramas
e governações abúlicas

 
 
(As Buganvílias     nos canteiros
explodindo em flor     regadas
pelo orvalho     enchem-nos de cor)
Em tuas mãos     a ternura
que já teu corpo doara
repousam beijos de amante
silentes     na manhã clara
Em teus olhos o brilho
e a maciez de um arminho
Doces     – que não inocentes! –
beijam-me com carinho
 
 
(Do nosso jardim profundo
pardais chilreiam pelos ramos
frenéticos     delatando ao mundo
o tanto que nos amamos)
   
[Luís Eusébio]
 

8 thoughts on “Café da Manhã

  1. Claudeth

    Como sempre Luiz, tu és dotado de estrema sensibilidade.
    Estou muito feliz em te-lo reencontrado aqui depois de muitos anos pois pesquisava o poema Deus Negro e vim cair em seu blogue.
    Entre em contacto comigo
    Parabens e saudades
    Claudeth

  2. Maite

    Caro Luís Eusébio

    Acabei de roubar, sub-repticiamente, uma laranja para o meu pequeno almoço. 🙂 espero não ter feito grandes danos 😀

    Tenha um excelente dia

  3. PortoCroft

    Maite,

    Fez muito bem. Descasque-me (a laranja) com meiguice, por favor… 😆

    Um dia feliz para si, também.

  4. PortoCroft

    Cara Maite,

    Vidiguêra??? 😆

    Ganhámos. Ganhámos, mas não me convenceram.

    Resto de noite feliz para si, também.

Comments are closed.