Árvores

Aguarela e carvão de Isabel Almeida

Tremem frígidos os ramos
Galhos afagando troncos
Brisas ululando tangos

 

(Desfloradas e tão castas
dançam nuas pelos campos)

[Luís Eusébio]

14 thoughts on “Árvores

  1. Maite

    Caro Luís Eusébio

    Gostei desta sua descrição do quadro. Além disso o quadro fez-me lembrar um local por onde passei hoje na Serra de Sintra. Infelizmente e sabe-se lá porquê não tirei nenhuma foto. 🙁 ou pensando melhor acho que foi por estarmos na “galhofa” 🙂

    Tenha um excelente final de tarde

    P.S. e em Londres está muito frio? Imagine que um familiar meu disse-me que já está a nevar na Serra da Estrela e que estão uns 5 graus negativos brrrr

  2. PortoCroft

    Cara Maite,

    Ainda há árvores na Serra de Sintra? 😀
    Obrigado.
    Resto de dia feliz.

    PS – Não está assim tanto frio. Desagradável, sim. Chuva, vento e frio.

  3. Maite

    Caro Luís Eusébio

    Pois tenho a dizer-lhe que há imensas árvores e que a serra é um espectáculo…aliás como a da Arrábida, a de Grândola e claro está a Serra da Estrela (nesta ainda não fiz nenhuma caminhada)

    P.S. por aqui também está assim 🙂

  4. mj

    Concordo tanto que não percebo porque nem todos apreciaram… por mim, merece 5 estrelas.
    O poema exprime o que o autor vê e ouve nos ramos despidos e nas brisas desfloradas e dançantes.
    Eu aprecio outras sugestões, mas principalmente gestos doces, precisos e impacientes.
    O que será que viu e ouviu quem apreciou menos o post?

  5. PortoCroft

    Mateso,

    O poema saíu bem maior… deixei-me levar… mas, a ideia era as palavras ilustrarem o quadro e não o quadro, o poema…
    Obrigado.
    Bjs.

Comments are closed.